Tag Archive: astronomia ao vivo


Planetas Júpiter e Saturno registrados em 28/05/17. Júpiter na constelação de Virgem a uma distância da Terra de 718 milhões de quilômetros e naquele momento mostrava a Grande Mancha Vermelha. Saturno na constelação de Ofiúco a 1,36 bilhão de quilômetros (praticamente o dobro de Júpiter) e mostra seus anéis quase em inclinação máxima (26°). A imagem também mostra a lua galileana Io à esquerda de Júpiter.

Júpiter e Saturno_PS_resize2

Os registros foram feitos do Observatório Draco Australis-Londrina/PR durante o programa Astronomia ao Vivo #137 com telescópio Celestron C11 Nexstar GPS e câmera ZWO ASI120MC (sem uso de lente barlow). Capturados com SharpCap e processado com Registax. Montagem da imagem no PS. c11gps_asi120mc

Anúncios

Em 15/06/17 às 07h05 (horário de Brasília) Saturno atinge a oposição. Isso quer dizer que, do ponto de vista da Terra, enquanto o Sol está de um lado, o planeta dos anéis estará do outro. Ele estará no seu melhor para observação, na constelação Ophiuchus, e ficará visível durante a maior parte da noite, atingindo o seu ponto mais alto no céu em torno da meia-noite, hora local.
Daqui de Londrina-PR, ele ficará visível entre 18h30 (15/06) e 06h00 (16/06) aproximadamente. Alcança seu ponto mais alto no céu às 00h25, 88° acima do horizonte nordeste.

Em cima, foto feita pelo Telescópio Espacial Hubble em Março de 2004. Em baixo, Saturno registrado pela sonda Cassini em Maio de 2004.

Em cima, foto feita pelo Telescópio Espacial Hubble em Março de 2004. Em baixo, Saturno registrado pela sonda Cassini em Maio de 2004.

Saturno oposto ao Sol

Ao mesmo tempo que Saturno passa pela oposição, ele também faz sua máxima aproximação da Terra no ano – denominado perigeu – fazendo com que ele seja visto e registrado mais brilhante e maior.
Saturno orbita o Sol muito mais longe do que a Terra – a uma distância média do Sol de 9,56 vezes a distância da Terra, e por isso o seu tamanho angular não varia muito.
Nesta ocasião, Saturno ficará a uma distância de 9,04 UA, e seu disco medirá 18,4 arcsec de diâmetro, brilhando em magnitude 0,0. Mesmo em sua maior aproximação da Terra, no entanto, não é possível distingui-lo como mais do que um ponto de luz semelhante a uma estrela sem o auxílio de um telescópio.

Os anéis de Saturno

Saturno está inclinado mostrando seu hemisfério norte nesta oposição, e os anéis estão inclinados em um ângulo de 26° em relação à nossa linha de visão, que é quase a inclinação máxima que eles podem ser vistos da Terra. Isso significa que eles serão muito bem apresentados e visíveis ao telescópio.

Simulação de sequência de oposições de 2001 a 2029 mostrando as diferentes inclinações dos anéis. Em 2017 a inclinação atinge o seu máximo de 26°.

Simulação de sequência de oposições de 2001 a 2029 mostrando as diferentes inclinações dos anéis. Em 2017 a inclinação atinge o seu máximo de 26°.

O efeito Seeliger

Por algumas horas, antes e depois do momento exato da oposição, pode ser possível discernir um brilho acentuado dos anéis de Saturno em comparação com o disco do planeta, conhecido como o efeito Seeliger.

Isso ocorre porque os anéis de Saturno são feitos de um mar fino de partículas de gelo que normalmente são iluminadas pelo Sol em um ângulo ligeiramente diferente do nosso ângulo de visão, de modo que vemos algumas partículas iluminadas e algumas que estão na sombra das outras.

Próximo da oposição, no entanto, as partículas de gelo são iluminadas quase que exatamente da mesma direção da qual as vemos, o que significa que muito poucas estão nas sombras.

Efeito Seeliger observado na imagem de Daniel Fischer (fonte: @suthers no twitter).

Efeito Seeliger observado na imagem de Daniel Fischer (fonte: @suthers no twitter).

Transmissão ao Vivo

Se o tempo colaborar e equipe de astrônomos amadores do canal Astronomia ao Vivo fará transmissão ao vivo na noite da oposição de Saturno (de 14 para 15/06/17).

 

Fonte: in-the-sky.org

Lua cerca de 1 dia após o quarto crescente.  Tomada única, sem mosaico usando um telescópio apocromático com redutor (412 mm de distância focal) e câmera ASI120MC. O vídeo dessa imagem foi feito durante o programa Astronomia ao Vivo #96 de 23/08/15. Processado com o programa Registax, 50 melhores frames de 500. Esse foi um teste para o registro do Eclipse Lunar Total que ocorre daqui um mês (em 27/09/15). O grupo GEDAL estará observando em Londrina e o grupo Astronomia ao Vivo transmitirá o evento ao vivo.

http://www.astrobin.com/205909/

Capture 23_08_2015T21_33_262_PS

Há dois meses num bate-papo por vídeo durante a ocultação de Júpiter pela Lua, surgiu a ideia de que o recurso de hangout do G+ pudesse ser usado para apresentarmos um programa de astronomia semanal. Surgiu assim o Astronomia ao Vivo. Todos os domingos às 21h30 falamos de astronomia: céu da semana, notícias de destaque, imagens ao vivo de astros celestes e sempre um convidado falando sobre algo interessante.

Abaixo o vídeo do programa número 8, assistam! Se gostar inscreva-se no canal e nos ajude a divulgar.