Category: Não categorizado


Essa imagem foi feita em 2015 durante o 8° EBA – Encontro Brasileiro de Astrofotografia em Padre Bernardo-GO. Aqui um reprocessamento e reorientação para que a “América do Norte e o Pelicano” fiquem de pé. Achei esse enquadramento muito bom.
NGC7000 (ou Caldwell 20) em Cygnus, também conhecida como Nebulosa América do Norte, está a aproximadamente 1800 anos-luz de distância de nós. É uma nebulosa de emissão do tipo HII. Uma grande nuvem de gás em evolução onde a formação estelar está constantemente ocorrendo. Ao seu lado direito, separada por uma coluna escura de gás (LDN 935), está IC5070, também conhecida como Nebulosa do Pelicano, que pra mim se parece mesmo é com um Pterossauro (rsrs). As duas nebulosas juntas medem cerca de 50 anos-luz de largura.DSS_PS_filtered_NGC7000_North America Nebula
Essa imagem foi obtida com uma câmera CCD QHY9S-M, uma lente Nikon Nikkor 180mm ED Ai-S, montagem SkyWatcher NEQ6-Pro, e filtro Baader H-alpha. Foram capturados 9 frames de 1200 segundos cada num total de 3h de exposição.

Durante a transmissão do programa Astronomia ao Vivo #129 fiz alguns registros do eclipse lunar penumbral. Esse tipo de eclipse não chama tanto a atenção quanto os parciais ou totais porque não é possível, para o leigo, notar diferenças na luminosidade da superfície da Lua, já que ela passa apenas pela penumbra da sombra da Terra. Um observador mais frequente de nosso satélite natural pode notar uma leve diferença de brilho quando a ela esteve em sua máxima aproximação da umbra da Terra que ocorreu às 22h43 (horário de Brasília).

2-eclipse-lunar-penumbral-2017_02_10-asi120mc_nikkor-180mm_star-adventurer_sem-filtros_registx

A câmera deixa a diferença de contraste e brilho na Lua bem mais evidente. A montagem mostra cinco registros com diferenças de aproximadamente 20 minutos cada. A intenção seria registrar bem mais imagens para uma sequência em vídeo ou gif mas não foi possível devido às nuvens que atrapalharam bastante.

Local: Londrina/PR – Observatório Draco Australis; Montagem: Sky-Watcher Star Adventurer; Lente: Nikkor 180mm ED Ai-S; Câmera: ASI120MC. Captura: SharpCap; Empilhamento: Registax; Mosaico: PS.

staradv_asi120mc_180mm

 

Imagens da Lua do dia 15/06/16 usando um telescópio SCT Celestron C11 GPS e uma câmera ASI120MC.

c11gps_asi120mc

Imagens feitas com Celestron C11 GPS e câmera ASI 120MC.

Região de Prawn Nebula, IC 4628, a 6000 anos-luz de distância na direção da constelação do Escorpião. Finalmente com cor. OIII a desejar deu uma atrapalhada na qualidade mas pra quem estava a três meses sem fazer praticamente nada em processamento, foi bom pra desenferrujar um pouco. H-alpha capturado em Londrina e OIII em Padre Bernardo durante o 8ºEncontro Brasileiro de Astrofotografia em Julho desse ano.

prawn nebula Ha_Ha+OIII+OIII_crop_final_small

 

Nebulosa da Califórnia (NGC 1499). Nebulosa de emissão de 100 anos-luz de comprimento, localizada a aproximadamente 1500 anos-luz de distância do Sistema Solar na direção da constelação de Perseu e, assim como o Sistema Solar, pertence ao braço de Órion da Via Láctea. Recebe esse nome por se parecer com o estado da Califórnia (EUA). Nebulosa difícil de observar com telescópio por ter brilho bem difuso, ela fica localizada entre o aglomerado das Pleiades (Touro) e a estrela Capela (Auriga).

DSS2_PS_small_canvas

Essa imagem foi feita em Padre Bernardo-GO durante o 8ºEBA – Encontro Brasileiro de Astrofotografia no fim da madrugada de 17 de Julho de 2015. Equipamentos usados foram: Lente Nikon Nikkor 180mm ED As-i, Filtro H-alpha Baader 7nm, câmera QHY9S-M e set de guiagem: Miniguide Orion 50mm e câmera ASI120MC, tudo sobre uma montagem SW NEQ6-Pro. Foram 8 frames de 600s cada.

O Eclipse Lunar Total da noite de 27/09 será visível totalmente de qualquer parte do Brasil. Se na sua região estiver nublado o grupo Astronomia ao Vivo fará transmissão do evento, durante a transmissão o grupo debate o fenômeno e trás várias informações sobre eclipses.

Faixa de visibilidade do eclipse é a parte mais clara do mapa. Note o Brasil em condições de visibilidade de todas as etapas do eclipse.

Faixa de visibilidade do eclipse é a parte mais clara do mapa. Note o Brasil em condições de visibilidade de todas as etapas do eclipse. Fonte: NASA.

Não é necessário binóculo, telescópio ou outro equipamento para ver um Eclipse Lunar. Basta um local com boa visibilidade do céu, uma cadeira reclinável e apreciar a olho nu um dos mais belos fenômenos celestes.

Eclipses lunares possuem duas fases, a penumbral e a umbral. A fase penumbral não é perceptível a olho nu. No eclipse de 27/09 ela começa às 21h11. A fase umbral desse eclipse terá início às 22h07 com duração de 3h19min. O Eclipse inteiro terá uma duração total de 5h11min.

Trajetória da Lua ao atravessar a sombra da Terra. A parte cinza é a penumbral (não perceptível) e a parte vermelha é a umbra. A Lua ficará totalmente dentro da umbra por 1h11min.

Trajetória da Lua ao atravessar a sombra da Terra. A parte cinza é a penumbral (não perceptível) e a parte vermelha é a umbra. A Lua ficará totalmente dentro da umbra por 1h11.

A fase de totalidade do Eclipse Lunar é aquela em que a Lua está totalmente imersa na sombra (umbra) da Terra. Durante o eclipse de 27/09 essa fase terá duração de 1h11. A totalidade começa às 23h11.

Super Lua

Quando a Lua está no Perigeu (menor distância da Terra) e está também na fase de Lua Cheia, chamamos ela de Super Lua. Em 27/09 ocorre a maior Super Lua de 2015, justamente durante o Eclipse Lunar Total. Chamamos esse eclipse de Eclipse Lunar Total da Super Lua, como ela ocorre durante uma tétrade lunar então podemos ainda chamá-la incrivelmente (rsrs) de Eclipse da Super Lua em Tétrade Lunar.

Agora atenção a isso: O último Eclipse Lunar Total de Super Lua totalmente visível do Brasil ocorreu em 16 de maio de 2003 e o próximo (também totalmente visível do Brasil) será em 21 de Janeiro de 2019. O último Eclipse de Super Lua em Tétrade Lunar, com perigeu ocorrendo durante o eclipse e visível do Brasil foi em 17 de novembro de 1910 e o próximo, nas mesmas condições ocorrerá somente em 30 de agosto de 2156. Esses dois últimos eclipses citados e o eclipse de 27/09/2015 ainda guardam outra coincidência, os três são os últimos eclipses das tétrades que pertencem.

Em 27/09, o perigeu será atingido pela Lua às 22h47, em pleno eclipse e nosso satélite natural estará nesse momento a uma distância de 356.876 km da Terra. Uma Super Lua pode ficar com diâmetro angular até 15% maior e 30% mais brilhante que uma Lua Cheia no Apogeu (Mini Lua).

A distância temporal entre os instantes do perigeu e da fase de cheia é de pouco mais de uma hora, essa é a menor distância entre os dois eventos durante um eclipse lunar total nos séculos XX e XXI.

Mais curiosidades

O termo astronômico usado para a expressão popular “Super Lua” é Perigeu-Sizígia.

O Termo Super Lua é creditada ao astrólogo (sim astrólogo!) Richard Nolle em 1979 que definiu o termo ao alinhamento Sol-Terra-Lua com a Lua no perigeu ou apogeu com a tolerância de erro de até 90% da subtração das distâncias do apogeu e perigeu. Complicado né?

Um eclipse lunar total comum não é tão raro, e pode ser visto de um certo ponto qualquer da Terra, em média, a cada 2,5 anos.

Durante o eclipse a Lua não desaparece, ela é vista com cor de tijolo, levemente avermelhada devido à luz que atravessa as camadas da atmosfera da Terra e se desviam para dentro da umbra. A principal luz que se desvia nessa direção é a luz vermelha que, no momento do eclipse, atinge a superfície lunar. Esse efeito ondulatório/óptico é chamado de dispersão de Rayleigh.

Durante o eclipse a Lua estará na constelação de Peixes. (Bom isso não é nada demais, rsrs)

Uma curiosidade interessante sobre eclipses lunares é a variação de temperatura durante um ecipse lunar total. A temperatura da superfície lunar durante a Lua Cheia pode chegar à 97°C e assim que entra na sombra da Terra ela cai rapidamente para apenas -93°C, um variação de 190 graus!

Sendo esse um eclipse em pleno momento do perigeu (o menor perigeu do ano), teremos portanto um dia de “maré de perigeu” ou “maré-viva” ou “supermaré” ou ainda “maré sizígia”, que é uma maré maior que a comum devido à menor distância da Lua à Terra. Por ser em período de equinócio ela é chamada de “supermaré equinocial”, e essas costumam ser as mais fortes do período anual. Essa maré, em alguns lugares, pode ser cerca de 15 cm mais alta que as marés normais.

Existe a expectativa de que esse eclipse seja mais escuro que o esperado devido aos aerossóis na atmosfera provenientes da erupção do vulcão Calbuco do Chile.

Durante o eclipse a Lua vai ocultar algumas estrelas de magnitudes entre 6 e 9. Os destaques são: ocultação da estrela SAO 109078 de magnitude 6,8 às 20h57 (antes do início do eclipse) e emersão às 22h08 (logo após o início da fase visível do eclipse, umbral); ocultação da estrela SAO 109101 de magnitude 7,0 com imersão às 22h48 e emersão às 00h08; ocultação da estrela SAO 109119 de magnitude 6,2 com imersão às 23h30 e emersão às 00h14.

Sequência de eventos durante o Eclipse Lunar Total (horários de Brasília):

P1 – Contato com a penumbra (não visível)- 21h11

U1 – Contato com a umbra (inicia a entrada na umbra) – 22h07

Em – Emersão da estrela SAO 109078 (Mag. 6,8) – 22h08

Lua atinge o Perigeu (356 876km) – 22h47

Im – Imersão da estrela SAO 109101 (Mag. 7,0) – 22h48

U2 – Início da totalidade – 23h11

Máximo do eclipse – 23h47

Lua Cheia – 23h50

Im – Imersão da estrela SAO 109119 (Mag. 6,2) – 23h30

Em – Emersão da estrela SAO 109101 (Mag. 7,0) – 00h08

Em – Emersão da estrela SAO 109119 (Mag. 6,2) – 00h14

U3 – Fim da totalidade – 00h23

U4 – Saída da umbra (a partir daqui termina a visibilidade do eclipse) – 01h27

P4 – Saída da penumbra – 02h22

Observação: os horários das imersões e emersões de estrelas no limbo lunar referem-se a um observador em Londrina-PR).

Tétrades Lunares

O eclipse lunar de 27/09/15 será o quarto e último eclipse de uma tétrade. Uma tétrade é um conjunto de quatro eclipses lunares totais consecutivos (lembre-se que existem também os eclipses parciais).

Os três eclipses anteriores dessa tétrade ocorreram em 15/04/14, 08/10/14, 04/04/15.

Sequência de datas de eclipses lunares, estre eles a tétrade de 2014-2015. Fonte: NASA.

Sequência de datas de eclipses lunares, estre eles a tétrade de 2014-2015. Fonte: NASA.

No século XXI ocorrerão 8 tétrades lunares. Uma já aconteceu (2003-2004), uma está terminando e mais 6 ocorrerão futuramente. A próxima tétrade ocorre em 2032-3033. 8 tétrades é o número máximo que pode ocorrer em um século, a última vez que isso aconteceu foi no século IX.

Giovanni Schiaparelli calculou que as tétrades ocorrem por 300 anos e por mais 300 anos deixam de ocorrer. Nos séculos XVII, XVIII e XIX não ocorreram tétrades.  Nos séculos XX, XXI e XXII ocorrerão 17 tétrades lunares.

Esse eclipse ocorre durante a primeira Lua Cheia da Primavera aqui no hemisfério Sul. No hemisfério essa primeira Lua Cheia após o equinócio de Setembro é chamada de Harvest Moon. Então este eclipse será o Eclipse Lunar Total da Super Harvest Moon.

Próximos Eclipses

Os próximos Eclipses Lunares Totais observáveis do Brasil ocorrem em 27 de Julho de 2018 e em 21 de Janeiro de 2019. No eclipse de Julho de 2018, a Lua já nasce totalmente eclipsada e o eclipse de Janeiro de 2019 será plenamente visto assim como o de 27/09/15.

Blood Moon, a Lua Sangrenta

Nos últimos anos tem-se propagado a expressão Lua de Sangue à Lua eclipsada.
Pode-se pensar à princípio que talvez sua cor avermelhada tenha dado origem ao nome, mas vejamos duas histórias que podem ter iniciado o uso atual da expressão.

Festas Judaicas e as tétrades lunares:
Os pastores Blitz e Hagee chamaram a atenção sobre a sequência de eclipses que se iniciava em 2014 em um livro publicado em 2013 chamado Four Blood Moons: Os eclipses dessa tétrade coincidem com importantes festas judaicas. Os eclipses de Abril de 2014 e Abril de 2015 coincidem com a Páscoa, enquanto que os eclipses de Outubro de 2014 e Setembro de 2015 ocorrem durante a Festa dos Tabernáculos. Para eles tétrades de tempos passados que também coincidem com essas datas festivas estão associados a eventos históricos para a humanidade. Algumas pessoas tomaram essa coincidência de datas como um sinal de que esta poderia ser a última tétrade, o fim dos tempos.
Os dados de eclipses passados ​​mostram que pelo menos oito tétrades lunares coincidiram com feriados judaicos desde o primeiro século.
O calendário judaico é um calendário lunar e a Páscoa sempre ocorre próximo a uma Lua Cheia. Eclipses lunares totais só podem ocorrer em uma noite de Lua Cheia, é muito provável que um eclipse ocorra na Páscoa ou perto dela.

Harvest Moon e Hunter’s Moon:

A primeira Lua Cheia após o equinócio de Setembro é chamada de Harvest Moon em algumas culturas do Hemisfério Norte. A Lua Cheia seguinte de Outubro, é chamada de Hunters’s Moon. Essas Luas possuem uma característica peculiar nas regiões de altas Latitudes do hemisfério Norte: normalmente a Lua nasce 50 minutos mais tarde a cada noite. Porém nessa época do ano, devido à posição da Lua em relação à eclíptica a Lua nasce apenas cerca de 30 minutos mais tarde. Nessa época a noite fica mais tempo iluminada com a Luz do luar, o que justifica a saída para a caça e término da colheita, a fim de se preparar para o inverno que estava pra chegar. Nesse período, devido à sua trajetória no céu, fica mais tempo próximo ao horizonte, e a Lua vista próxima ao horizonte é mais avermelhada. A Harvest Moon também é chamada de Blood Moon.

Fontes:

NASA, Space.com, Universe Today, The Old Farmer’s Almanac, Timeanddate.com, CalSky.com

Journal: Publications of the Astronomical Society of the Pacific, Vol. 72, No. 429, p.481; Title: Enhanced Lunar Thermal Radiation During a Lunar Eclipse; Authors: Shorthill, R. W., Borough, H. C., & Conley, J. M.

Informativo Observacional do NEOA-JBS, http://www.geocities.ws/costeira1/07-2015.pdf acessado em 26/09/2015; http://www.geocities.ws/costeira1/art/eclipse_20150926.pdf acessado em 26/09/2015.

Imagem em h-alpha feita em Padre Bernardo-GO durante o 8º Encontro Brasileiro de Astrofotografia. 2 x 600 min. Filtro h-alpha, lente 180mm ED, câmera QHY9S-M.

DSS_PS_mask_canvas_signature_registax_noise reduction_maskfinal

Depois de muito, mas muito tempo mesmo, voltei a fotografar com Dslr, minha velha Canon T3i não modificada. Com mais prática com o PHD fiz frames mais longos do que costumava fazer. O alvo foi a região da cauda do Escorpião, onde dois aglomerados abertos se destacam: M6, ou aglomerado da Borboleta no alto da imagem e M7 ou aglomerado de Ptolomeu, que está embaixo e à direita. Essa região ainda mostra mais aglomerados, nuvens escuras e brilhantes e muitas estrelas.

Foto guardada - aplicadas configuracoes.

Região da cauda do Escorpião com destaque para M6 e M7. 36 X 300 segundos ISO 400. Lente Nikon Nikkor 180 ED Ai-s 2.8 @ f/4. Montagem: NEQ6 com guiagem Miniguide Orion e ASI120MC. Câmera Canon 600D T3i não modificada.

Imagem capturada em 27/04/15 da Nebulosa IC 4628, conhecida como Prawn Nebula ou Nebulosa do Camarão (é a nebulosa mais brilhante à direita na imagem). Ao seu redor três aglomerado aberto de estrelas: no centro da imagem, NGC 6231 conhecida como Aglomerado Falso Cometa, à direita da nebulosa está NGC 6242 e acima à direita dela,o pequeno aglomerado NGC 6268.

Foto guardada - aplicadas configuracoes.

Imagem feita com câmera QHY9S-M e Lente de 180mm.