Category: Aglomerados Globulares


Apesar da grande poluição luminosa dentro de Londrina-PR, ainda é possível fazer imagens de céu profundo e com grande campo utilizando câmera DSLR. A imagem a seguir é do aglomerado globular Ômega Centauri feita do Observatório Draco Australis usando câmera Canon T3i e lente Nikon Nikkor 180mm ED, sobre uma montagem SkyWatcher Star Adventurer. Foram 25 frames de 20 segundos sem guiagem, ISO 800. Empilhamento no DeepSkyStacker e tratamento no Photoshop CS6.

Aglomerado Globular Ômega Centauri fotografado em grande campo.

Aglomerado Globular Ômega Centauri fotografado em grande campo.

canon_180mm_staradventurer

Omega Centauri ou NGC 5139 é um aglomerado globular situado na constelação do Centauro. Foi descoberto por Edmond Halley em 1677. Omega Centauri tinha sido incluído no catálogo de Ptolomeu 2000 anos atrás como uma estrela. O astrônomo inglês J. W. Herschel foi o primeiro a reconhecer como um aglomerado globular em 1830. Este aglomerado orbita nossa galáxia, a Via Láctea, sendo o maior e mais brilhante dos aglomerados globulares que a orbitam. É um dos poucos que pode ser visto a olho nu. Omega Centauri está a cerca de 15.800 anos-luz da Terra e contém milhões de estrelas. As estrelas de seu centro são tão interligadas entre si e acredita-se estarem apenas 0,1 anos luz umas das outras. Sua idade estimada é de cerca de 12 bilhões de anos.

Especula-se que Omega Centauri possa ser o núcleo remanescente de uma galáxia anã que foi satélite da nossa Via Láctea. Esta galáxia teria um tamanho centenas de vezes superior ao atual aglomerado e foi fragmentada e absorvida pela nossa galáxia. A química e a dinâmica de Omega Centauri são consistentes com essa hipótese.

Relatado em 2008, um artigo no Astrophysical Journal, astrônomos alegaram ter encontrado indícios de um buraco negro de massa intermediária no centro de Omega Centauri. As observações foram feitas com o Telescópio Espacial Hubble e o Observatório Gemini, em Cerro Pachón, no Chile. O Hubble mostrou como as estrelas estão amontoadas próximo do centro de Omega Centauri. Medindo a velocidade das estrelas rodando perto do centro do aglomerado com o Observatório Gemini, os astrônomos descobriram que as estrelas mais próximas do núcleo estão se movendo mais rapidamente do que as estrelas mais distantes. A medida implica que alguma matéria invisível está no centro puxando as estrelas perto dela. Comparando estes resultados com os modelos, os astrônomos determinaram que a causa mais provável é a atração gravitacional de um maciço, denso objeto. Eles também utilizaram modelos para calcular a massa do buraco negro.

Na imagem, a estrela amarela e mais brilhante é Antares, a estrela mais brilhante da constelação do Escorpião e que fica a 600 anos-luz de nós. O aglomerado de estrelas à esquerda dela é M4 (messier 4) e fica a 7200 anos-luz de distância. Aquisição da imagem: Canon 600D e lente Nikon Nikkor 180mm ED Ai-S. Processamento: DSS e PS.

M4 cópia 3_filtered_2_assinatura_HLVG_2

M¨_b2_filtered_final5

O belo aglomerado M6, conhecido como “aglomerado da borboleta”.

A foto abaixo foi meu primeiro registro de um aglomerado aberto. Espero capturar muitos outros daqui pra frente. Nele foram 10 frames de 60 segundos, ISO800, mais frames de calibração. Usei o RC8″+Canon 400d. Este aglomerado tem em torno de 80 estrelas e fica a aproximadamente 1600 anos-luz de distância na constelação do Escorpião, na região da cauda. Ele possui um diâmetro de cerca de 12 anos-luz, e uma magnitude visual de 4,2. Situa-se próximo de outro conhecido aglomerado, M7. Por ser muito fácil de ser encontrado, M6 é um dos alvos favoritos de muitos observadores iniciantes. Consegue ver a borboleta?

Aglomerado Globular NGC5139 Omega Centauri. 17 Frames de 60 segundos + darks, flats e bias frames. Telescópio RC8″+Canon 400D XTi mod+NEQ6 sem guiagem.

Omega Centauri_b_PS_filtered_final1